Textos

Você está acostumando mal ele no colo… Oi?

June 19th, 2017
Categorias: Textos

Num passado não muito distante, eu mesma pensava que dar muito colo acostumava mal, o bebê ficava mimado, e por aí vai.

Tempo, e experiência depois parei pra pensar o PORQUÊ desse pensamento.

Inveja por não ter aproveitado o tempo com seus próprios filhos, às vezes até mesmo por falta de opção? Talvez. Ou quem sabe medo de a sociedade ser tomada por pessoas mimadas e sufocadas de amor por terem tido colo demais na infância (oi? é, parece estranho mas tem de tudo por aí né?)? Receio de a criança fazer manha SÓ pra ganhar colo? Faz algum sentido isso? Para alguns talvez faça, mas pra mim não faz. Não mais. Não hoje.

Eu até já postei aqui outro texto sobre o assunto, isso tudo porque hoje considero primordial de certa forma “avisar” às mães iniciantes para que não dêem ouvidos a esse tipo de comentário.

Tenho três filhos, e eles estão crescendo rápido. Dois deles não ficam muito tempo no meu colo, pois querem correr por aí. O mais novinho pede a cada minuto, um pouco de colo, ou de “teté” (sim, ele mama). Se eu fosse atender a seus requisitos todas as vezes eu não faria mais nada da vida. Para ele bastaria que eu o grudasse a mim com super cola.

Mas, não dá. Não o pego todas as vezes no colo, e confesso que quando ele pede muitas vezes eu dou uma pequena reclamada, “filho vai brincar, dá um tempo pra mamãe”. Porque eu preciso de espaço. Ele ainda não.

Achei um lindo texto na internet que resume meu sentimento hoje em relação ao colo, e eu resolvi trazer pra vocês pela sua imensa riqueza.

“Você está acostumando mal ele no colo…”

Diga isso a natureza, que o deixou 9 meses perto do meu coração, 9 meses no compasso da minha respiração, 9 meses na companhia da minha voz.

Ela que o acostumou mal primeiro, que sabiamente encheu meus peitos de leite, para seguirmos sendo um só.

Que te explique a natureza, por quê ele sorri quando estou feia e me estica os braços louco de amor.

Que eu estou criando mal no colo?!?! Se ele não me pede sapatos, nem um carro de luxo, só quer que eu o encha de beijos.

Não nego colo, porque negar seria reprimir o amor mais puro e incondicional, me pede colo porque depois de passar quase um ano tão unidos como jamais voltaremos a estar, nosso único consolo é nos abraçar, para não sentir tanta saudade e nos amarmos cada vez mais.

Depois de tudo isso, mais cedo ou mais tarde ele aprenderá a caminhar e tudo isso será só uma linda lembrança, de quando uma vez ele foi bebê e meu colo era tudo para ele.

Por isso, sem dúvida a natureza é mais sábia que nós dois, o que para você é “acostuma-lo mal ao colo”, ele o chama de AMAR, MAMAR, MAMÃE, nem as árvores soltam seus frutos pequenos, o carregam, até que estejam prontos, isso é o natural.

Texto de Eloísa Alarcón original em Espanhol

Ler mais sobre: Textos

Leia também...

Aproveite de pertinho enquanto eles cabem no colo

March 7th, 2017
Categorias: Textos

Aproveite o amor de pertinho… Um dia, assim, do nada, ele vai parar de chamar pra dar o beijo e fechar a janela antes de dormir. Um dia assim… Do nada.

Muitas vezes eu reclamo que não tenho tempo pra mim, que tem muito barulho em casa, que não posso isso, não dá pra fazer aquilo, e depois me culpo por não olhar as bênçãos que eu tenho a minha volta. Este lindo texto me ajuda a lembrar, e espero que ajude a você também.

“Aproveite o amor de pertinho… Um dia, assim, do nada, ele vai parar de chamar pra dar o beijo e fechar a janela antes de dormir. Um dia assim… Do nada.

Ele vai trancar a porta do banheiro pra tomar banho, vai estudar sozinho pra prova, vai receber a ligação de um amigo. Vai ligar o microondas e esquentar o próprio leite de manhã.

Um dia, ele vai fazer um bolo pra você e a própria panqueca. E vai compreender, sem chorar ou reclamar, que não precisa de outra mochila pra começar o ano escolar. Ele vai parar de deixar todos os brinquedos espalhados pela casa… Porque não vai mais brincar tanto.

Um dia, sem avisar, ele vai crescer. E você vai se orgulhar de quem ele é agora. Da semente que plantou. Vai olhar e ver que tudo que fez compensou, valeu a pena.

Aproveite de pertinho

Aproveite enquanto eles cabem no colo

Mas até lá, aproveite o cansaço de ninar o seu bebê todos os dias, aproveite a falta de espaço na cama com seu filho no meio, aproveite enquanto cabe todo mundo na cama. A falta de tempo e energia pra namorar.

Aproveite a desobediência, aproveite o barulho, o cheiro, o andar tropeçando em brinquedos.
Aproveite o trabalho, a preocupação, a tarefinha da escola, o bilhetinho de dia das mães.

Aproveite o amor de pertinho, enquanto eles são crianças…

Um dia você vai lembrar que ele não te chamou pra dar o beijo na hora de dormir, e vai lembrar que ele só gostava de dormir no colinho, ou na sua cama… Seu coração vai apertar e você vai chorar… Eu chorei…

Mesmo adorando tudo que ele é agora, amando tudo que ele faz e a relação que temos hoje. Mas ele não cabe mais no colo, só no coração mesmo…”

Por Paula Jacome

Ler mais sobre: Textos

Leia também...

Filho Preferido por Erma Bombeck

March 27th, 2016
Categorias: Textos

Nós, mães temos um filho preferido? Amo meus três filhos da mesma forma, mas fato é que tem dias que eu acordo mais “apaixonada” por um, ou por outro. Nunca entendi o motivo, mas encontrei um texto lindo que consegue transmitr um pouco desse sentimento. O texto é de Emma Bombeck e foi retirado da internet.

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido, aquele que ela mais amava.

E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu:
“Nada é mais volúvel que um coração de mãe.
E, como mãe, lhe respondo: o filho dileto,
aquele a quem me dedico de corpo e alma…
É o meu filho doente, até que sare.
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
que está estudando, até que aprenda.
O que está nu, até que se vista.
O que não trabalha, até que se empregue.

O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.

O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que cale.

E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou:
O que já me deixou…
…até que o reencontre…

Ler mais sobre: Textos

Leia também...

“A mamãe só está cansada” – por Aurea Gil

February 22nd, 2016
Categorias: Textos

Numa dessas, a mãe acordou. Deu um tapa na cabeça dela, falou num grito: “Fica quieta aí e senta!”. Ela chorou um pouquinho, lágrimas escorreram. Meu coração apertou. Tive vontade de fazer algo, mas achei que era muita invasão da vida alheia e fiquei quieta.

 

Na maternidade diversas vezes encontramos textos lindos que geram em nós ânimo pra mudar o que está ruim, alegria, emoção. Mas hoje eu li um que extravasou tudo o que eu já senti em textos assim. Um exemplo de como agir, uma prova de que o amor brota, multiplica e muda vidas gerando mais e mais amor. Me identifiquei sim com a mãe e me emocionei. Me emocionei porque num mundo onde apontar o dedo (como aqui por exemplo) ver uma atitude de amor assim emociona.

A ala dos descontentes e das mães perfeitinhas sempre existiu e sempre vai existir, mas vou exercer meu direito de ignorá-la e deixar aqui pra vocês esse lindo texto de AUREA GIL.

 

“Finzinho da tarde, no ônibus, dois bancos à frente, uma menininha de cabelos cacheados sorri pra mim, muito meiga. Devia ter uns três anos de idade. Ao lado dela, sua mãe cochilava. Quando ela percebia que a mãe fechava os olhos, ela se levantava no banco.

Numa dessas, a mãe acordou. Deu um tapa na cabeça dela, falou num grito: “Fica quieta aí e senta!”. Ela chorou um pouquinho, lágrimas escorreram. Meu coração apertou. Tive vontade de fazer algo, mas achei que era muita invasão da vida alheia e fiquei quieta. Dali a algum tempo, a mesma cena: a mãe dorme, a menina, entediada com o trânsito parado, aproveita pra levantar do banco um pouquinho, buscando as vozes de umas crianças que estavam na parte de trás do ônibus.

A mãe dessa vez a pegou pelos cabelos com força, deu um puxão que fez a menina cair pra trás, e, como se não bastasse, um “croque” na cabeça. Ao mesmo tempo, a voz dela saiu forte, com raiva. “FICA QUIETA AÍ, JÁ NÃO MANDEI!?”.

A menina chorou forte. Enquanto chorava, as lágrimas escorriam e ela fazia um olhar muito, muito triste. Magoada, mesmo. Levantei na hora que a mãe falava “CALA A BOCA, SE VOCÊ NÃO PARAR DE CHORAR VAI APANHAR DE NOVO. QUE MENINA FEIA!”. Quando eu vi já estava ao lado das duas. Abaixei e falei com a menina, que chorava muito. “Não chora não, tá? A mamãe só está cansada, ela quer dormir um pouco e descansar”.

Olhei pra mãe, que pareceu envergonhada por eu estar interferindo, falou comigo com voz normal: “Ela fica levantando, tenho medo dela cair e se machucar”. Respondi: “Eu sei, mas ela só estava olhando as crianças lá atrás.”. Ela se dirigiu à menina, com a voz menos irritada. “Tá, agora pára de chorar, vai, já passou”.

A menina soluçava, chorava alto. Eu falei com a mãe “Você tá cansada, né? Dá pra ver. Mas sabe, acho que ela só está meio cansada também, igual você”. O olho da mãe encheu de água. “Acordei muito cedo hoje, trabalhei o dia inteiro, to morrendo de dor de cabeça, e agora ela não para quieta”… A menina berrava, lágrimas escorrendo… “Eu imagino…. Tem dias que é complicado mesmo… Mas eu acho que ela só está querendo a sua atenção”, arrisquei. Pra minha surpresa, a mãe pegou a menina no colo e ofereceu o peito pra ela na mesma hora “Quer mamar, filha?”.

Apesar do meu histórico de Mamífera, que amamentei até os 4 anos e pouco do meu filhote, me surpreendi pois não é comum ver crianças assim maiorzinhas mamando em público. A menina começou a mamar no peito e parou de chorar na hora.

Enquanto mamava fazia carinho no rosto e no cabelo da mãe que, claro, desabou chorando. Apertou os olhos, agora as lágrimas escorriam no rosto dela, que depois começou falar meio baixinho. “Desculpa, filha, desculpa a mamãe, filha, desculpa”, ela falava, enquanto fazia carinho na cabeça da menina, bem no lugar onde ela tinha batido, e dava vários beijos na pequena, que mamava e olhava pra ela. Em uns 5 minutos a menina tinha dormido no peito, mas a mãe não parava de fazer carinho e beijá-la. Quase perdi meu ponto, na hora de levantar ainda olhei pras duas e a mãe me falou baixinho: “Obrigada…”.

Nem precisa falar que eu comecei a chorar também, e to chorando até agora, né? Tem horas que só o que uma mãe cansada precisa é chorar um pouquinho também…”

Ler mais sobre: Textos

Leia também...

O 1º filho é de vidro, o 2º de borracha e o 3º de ferro

November 7th, 2015
Categorias: Textos

ORDEM DE NASCIMENTO DOS FILHOS
O 1º filho é de vidro
O 2º é de borracha
O 3º é de ferro

Planejamento
O 1º filho é (em geral) desejado
O 2º é planejado
O 3º é escorregado

O TRATAMENTO (PELA ORDEM DE NASCIMENTO DAS CRIANÇAS)

1º- Irmão mais velho têm um álbum de fotografia completo, um relato minucioso do dia que vieram ao mundo, fios de cabelo e dentes de leite guardados.
2º – O segundo mal consegue achar fotos do primeiro aniversário.
3º- Os terceiros, não fazem idéia das circunstâncias em que chegaram à família (more…)

Ler mais sobre: Textos

Leia também...

Carta de uma mamãe de recém nascido ao seu marido

September 22nd, 2015
Categorias: Textos

 A gestação traz alegria, muita alegria. Mas com essa alegria vem o medo.

Medo de ser uma mãe ruim, medo de desapontar o marido, medo de não corresponder às expectativas (da família, amigos, marido e as dela mesma). Eu sentia tanta coisa, chorava do nada, parecia uma louca mas dificilmente dizia o que sentia pro meu marido. Eu mesma não entendia direito o que eu estava sentindo naquele momento e foi difícil pra mim lidar com tudo, principalmente comigo mesma. Se meu marido tivesse entendido como eu estava me sentindo naquele momento tão delicado provavelmente teria me ajudado mais e teríamos discutido menos. Escrevi uma cartinha com tudo o que eu gostaria de ter dito ao meu marido quando meus filhos nasceram. Acredito que muitas mamães vão se identificar.

 

Amor…

quando eu chegar da maternidade estarei com medo, mesmo que já tenha sido mãe antes. Por favor compreenda e me acalme quando eu pirar. Diga que vai dar tudo certo mesmo que você também esteja com medo. Prometo te fortalecer quando você estiver inseguro mas por favor me ajude agora.

Eu vou chorar mesmo que eu esteja feliz. Meus hormônios estão bagunçados dentro de mim e tudo o que você pode fazer neste momento é me acolher.

Eu te amo e me sinto muito atraída por você mas talvez não tenha muita vontade de fazer sexo agora. Se você entender esse momento meu e se deitar comigo sem pretensão, só pra ver um filme e me dar colo enquanto o bebê dorme terá uma grande surpresa quando eu me recompor física e emocionalmente.

Aliás, não ligue se eu dormir durante o filme. Eu estou realmente exausta e me sinto confortável nos seus braços.

Eu não amo mais o bebê do que você. Se dou mais atenção à ele por enquanto é porque tenho muito medo de errar.

Eu realmente preciso dormir um pouco e provavelmente farei isso nos primeiros dias ao invés de limpar e arrumar a casa como de costume. Por favor seja compreensivo.

Me abrace muito e sorria pra mim, estou mais sensível que o normal e essas atitudes me fazem sentir mais segura.

Eu vou acordar mau humorada mais frequentemente por enquanto porque não é nada fácil ter o sono picado.

Me ajude mais com a casa por favor, mesmo que chegue cansado do trabalho. Eu não fico dorPaimindo o dia inteiro e cuidar do bebe é uma tarefa muito mais complexa e difícil do que você imagina. Preciso de tempo pra me recompor e me organizar. Não preciso que faça tudo, mas uma louça a menos pra lavar, uma leva de roupas a menos pra lavar/guardar já fazem toda a diferença.

Leve meu repouso a sério e me ajude a fazer isso também. Muitas vezes vou realizar tarefas que não deveria por enquanto e preciso que chame a minha atenção, mas com cautela e amor.

Por favor me ajude de madrugada. Você troca as fraldas e eu dou o mamá, que tal?

Faça o possível para que eu me sinta segura. Eu me acho feia no momento.

O instinto materno é mais forte do que eu. Não fique zangado se eu ficar dando “palpites”. Não sou melhor do que você nem quero passar essa mensagem. Eu só não consigo controlar.

Não me de o bebê só porque ele começou a reclamar. Fique com ele um pouco mais e tente acalmá-lo também, você consegue!

Eu vou mudar um pouco agorapai (1). Talvez me importe mais com a minha saúde, talvez tenha medo de fazer coisas mais ousadas. A frase “quem vai cuidar do bebe se eu me machucar?” ecoa na minha mente toda vez que eu penso em fazer alguma coisa.

Assim como você está aprendendo a ser pai, eu estou aprendendo a ser mãe. Não aponte meus erros, me encoraje. Assim você me motivará a ser uma mãe e esposa melhor.

Tenha boa vontade. Se você fizer todos os itens acima de cara feia eu vou me sentir muito, muito mal.

Eu te amo mais agora do que antes. É impressionante olhar pro nosso bebê e imaginar que você e eu juntos conseguimos fazer essa obra de arte. É lindo olhar pra ele e ver nossos traços misturados em um ser humano só.

Enquanto você brinca com o bebê olhe pra mim e verá a cara de boba que expressa o amor que eu sinto pela nossa família. Esse sentimento pra mim é o maior, melhor e mais intenso que eu já senti.

E bom, obrigada por me escolher pra ser a mãe dos nossos filhos. Sei que nem tudo é como antes e nunca mais vai ser, mas com o tempo teremos mais oportunidades pra passar mais tempo a sós, a fase das birras vai chegar mas também vai passar, haverão momentos desagradáveis mas estes nunca serão maiores do que os momentos bons. E não se preocupe demais com o fato de ter de cuidar de nós. Estamos juntos e vai dar tudo certo.

Eu te amo.

Ler mais sobre: Textos

Leia também...