Criança dando trabalho? Bota pra “trabalhar”

Em September 30th, 2015
Categorias: Experiências

Aqui em casa pelo menos não existe melhor maneira de fazer meus filhos se comportarem do que colocá-los pra “trabalhar”.

Colocá-los sentados pra pintar, desenhar, recortar é válido durante uns 10 minutos. Depois disso é briga, gritos ou o foco é perdido. É nessas horas que a tinta vai parar na parede, que a farinha escondida no armário vai parar em cada  mm³ da sua casa e por aí vai.

Agora se eu preciso cozinhar, assar um bolo, estender roupas, colocar roupas na máquina, varrer a sala, etc… é só eu pedir ajuda que os dois vêm com todo o gosto e fazem tudo o que eu peço. Depois fica aquela sensação maravilhosa de realmente ter ajudado a mamãe. Quem é que não gosta de se sentir útil? Pois é, as crianças também.

Depois de perceber que isso funciona tão bem nunca mais parei de usar. Quando eles me ajudam as tarefas demoram mais, mas nosso vínculo se fortalece, eles aprendem a ter responsabilidades (dadas de acordo com a idade, é claro) e se comportam muito, mas muito melhor porque se sentem bem com eles mesmos, se sentem “maduros”.

Hoje lendo na internet descobri que tudo isso tem um nome que me lembrou inclusive de um estilo de decoração pro quarto das crianças. Nome que agora faz todo o sentido pra mim. É o método montessoriano, e hoje eu vou falar um pouco dele, e de quem o criou pra vocês.

Maria Montessori

Maria Montessori

Maria Montessori (1870) era psiquiatra (primeira mulher a se formar médica na Universidade Sapienza em Roma inclusive), pedagoga, filósofa, pesquisadora, educadora e voluntária. Ela começou a trabalhar com crianças com problemas mentais tratando-as como indivíduos capazes e não como “coitados” incapazes como eram vistas na época. Ela e seu método de ensino revolucionaram as escolas no mundo todo e suas técnicas são utilizadas e aprimoradas até os dias de hoje.

Quarto montessoriano

Quarto montessoriano

O método montessoriano de ensino parte do princípio de que criança tem uma sede natural por conhecimento e que ela precisa ser saciada. Muitas vezes desperdiçamos esta sede deles em frente à TV ou outra “distração” para que possamos realizar as tarefas do dia a dia. A pergunta é, por que não sanar essa sede ocupando-a com algo que realmente vá ensiná-la alguma coisa?

As crianças são seres vivos completos, totalmente capazes e criativos que com as atividades certas podem se tornar indivíduos disciplinados que são capazes de seguir a vida sozinhos, lidando bem com os obstáculos que com certeza surgirão em suas vidas, como acontece com todo mundo. Para isso o indivíduo precisa saber que é capaz, e nada melhor do que dar às crianças a liberdade de escolha (com limites é claro) para que elas aprendam isso. O processo de concentração envolve fazer diversas coisas diferentes e escolher o que mais lhe agrada. Assim é gerado um interesse que a leva à concentração.

Para aplicar o método montessoriano de ensino não são necessários aparelhos didáticos especiais, na verdade é muito mais simples do que parece e se resume em uma frase como “me ensine a fazer sozinho e eu serei um indivíduo seguro”.

Como?
Não o veja como “pequeno demais” pra fazer as atividades da casa nem como incapaz. Deixe fazer, com limites e supervisão é claro. Deixar a criança ajudar nas tarefas da casa é genial e a lista das vantagens de se fazer isso é enorme.

  • Vínculo mãe/pai/filho

Além de realmente ter alguma ajuda a criança vai lembrar pelo resto da vida com carinho daqueles momentos especiais, e em como ela se sentia quando te ajudava.

  • Desenvolvimento psicomotormétodo montessoriano

Coordenação ao cortar uma fruta, equilíbrio ao colocar um prato sujo em cima da pia são alg
umas carcterísticas que a criança desenvolve conforme é “testada”. Eu tinha uma colega na faculdade com 18 anos que pasmem… não sabia cortar um bife. Ela fala baixo, é super introspectiva, fechada, indecisa e deprimida. Meu filho de dois anos já descasca a própria banana, escova os próprios dentes e come completamente sozinho (e ainda briga com quem tenta ajudar). Só estou dando os dois extremos pra que vocês possam entender os benefícios que isso traz para a criança em si.

  • A criança vai descobrindo o que realmente gosta de fazer

e isso pode até ajuda-la mais pra frente na hora de decidir sua profissão.

  • A criança se sente segura de ser quem ela é, sente que tem utilidade

A alegria nos olhos dos meus filhos quando eles me ajudam é nítida e nada paga. É um contentamento, um orgulho, não que eu sinto deles, mas que ELES sentem de SI PRÓPRIOS. E esse sentimento de “utilidade”, a sensação de dever cumprido é tão boa que eles buscam mais.

  • A criança entende demétodo montessorianosde cedo que ajudar é legal e traz uma sensação boa.

Ajudar o próximo nos dias de hoje é algo difícil de se ver, e é algo que aprendemos ao longo da vida. O ser humano nasce egoísta e isso é um fato. Uma criança só começa a entender o coletivo, o lado do outro por volta dos 3 anos, e isso precisa ser ensinado. Ajudando em casa e vendo o resultado que isso traz a criança entende desde cedo o quão legal é ajudar e ver as outras pessoas felizes, fora sentir aquela sensação de “buraco preenchido” no coração que é o que o dever cumprido proporciona.

  • A criança aprende desde cedo a ter responsabilidades

Pouca coisa incomoda mais do que um adulto irresponsável. Alguém  que não corre atrás, se encosta nos pais o resto da vida, não tem palavra ou disciplina. É assim que se torna uma criança que não aprende a ter responsabilidade. A vida vai cobrar, é um processo natural. Um dia aquela criança cresce, precisa trabalhar, pagar as contas. Como fazer isso sem nem saber como passar um pano na casa? Tudo se torna mais difícil. Ter tarefas a cumprir desde a infância (de acordo com a idade é claro) faz com que a criança vá crescendo com a consciência de que todos têm responsabilidades e que elas aumentam conforme o tempo passa. Não se frustra porque cresce acostumada à esse universo e se adapta melhor na sociedade.

OS CONTRATEMPOSmétodo montessoriano

Acontecerão, fato! Quando a criança é pequena uma tarefa que levaria uma hora leva duas… mas isso passa muito rápido e os esforços compensam.

Vai ter a manha de vez em quando. Aqui em casa tem quando fazemos bolo e é hora de lavar a louça. Eles lambem, mas querem o resto da massa crua. E pra explicar que tem que assar? É todo um processo e às vezes não adianta, tem choro mesmo que logo passa.

Conforme a criança vai crescendo a responsabilidade vai crescendo também e existem coisas que ela vai TER que fazer. E isso é importante pesar, para que as tarefas OBRIGATÓRIAS que você dá pra ela estejam de acordo com a idade. Não é justo por exemplo eu exigir que meu filho de 2 anos lave a louça após o almoço. No entanto posso (e assim faço) exigir que ele e o irmão de 3 anos guardem os brinquedos após a hora de brincar, assim como colocar a roupa suja no cesto, essas coisinhas. A seguir uma tabela que pode ajudar as mamães e os papais na escolha das tarefas

Seu filho pode ajudar em casa

fonte de inspiração: Blog da Diiirce

A imagem mostra algumas atividades, é claro que existem muito mais. Cabe aos pais medir o bom senso e experimentar tomando cuidado para não sobrecarregar a criança. Coloquei um “*” ali na parte de cuidar dos irmãos porque eu sou totalmente contra jogar essa responsabilidade nas mãos dos irmãos mais velhos. Se é  realmente necessário, se é uma AJUDA e não a responsabilidade integral ou se é só de vez em quando não vejo problema, mas infelizmente conheci casos (e muitos) de crianças que perderam a infância cuidando dos irmãos enquanto os pais saíam por exemplo. Aí já é demais.

E bom, na hora de dar as tarefas é se encher de paciência, compaixão e amor e chamar pra ajudar com um sorriso no rosto. E não importa o quão cansada e mal humorada você possa estar (falo por mim, tem dias que ó…), pelo menos tente fazer as coisas com uma cara… não digo nem boa, mas… “aceitável”. A criança crescer entendendo que trabalhar e arrumar é “um saco” não traz benefício nenhum pra ela, pra você, ou pra sociedade.

E aí, mãos à obra? 😉

Ler mais sobre: Experiências
Por Joana
joana scheer comente
Comente