Escolhas. Eu gosto, ele não

Em December 15th, 2015
Categorias: Experiências

Será mesmo necessário mostrar desapontamento se você torce pro São Paulo e seu filho escolhe ser Corintiano? Escolhas diferentes são mesmo tão importantes?

Eu me amarro em “sagas nerd” como Star Wars por exemplo. Ainda estou na sofrência porque não vou poder ver o filme na pré estréia por causa do horário. Pensei até em me vestir de Stormtrooper e levar o Dani com orelhas de Yoda… mas tudo bem, fica pra próxima.

escolhas starwars

Enfim… quando gostamos de alguma coisa automaticamente já imaginamos nossos filhos curtindo a mesma coisa, fazendo parte daquilo contigo. No dia das crianças mesmo eu confesso que tentei convencer o Mikael de comprar um dinossauro de brinquedo porque EU sou fã de Jurassic Park e enlouqueci com o novo filme. Mas ainda assim ele preferiu os robôs de sempre (que eu também gosto por sinal, hehe). O ponto é que muitas vezes os pais expressam uma insatisfação enorme quando os filhos não compartilham dos seus gostos. Eu mesma já tentei fazê-lo desgostar do homem aranha porque EU não gosto. Até que ponto isso é saudável?

Eu sou diferente dos meus pais, tenho meus próprios gostos, vontades e fiz minhas próprias escolhas. Acho importante que as crianças se sintam à vontade sendo elas mesmas e tendo liberdade pra gostar do que elas escolherem gostar. No caso dos meus filhos que são pequenininhos a maioria dos gostos por heróis e etc é influência de amiguinhos na escola por exemplo. O Gabriel que tem 2 anos quer tudo o que o Mikael quer. O Mikael que tem 3 fala do homem aranha sem nunca ter visto um desenho dele. Conheceu o aracnídeo abençoado através de amiguinhos da escola. Fazer o que? Confesso que não é algo que eu alimente, como a minha paixão por Jesus por exemplo ou o gosto por dinossauros, mas também não é algo maligno que eu precise proibir. Eu é que não vou com a cara dele, treta particular.

É triste pra uma criança desapontar os pais. Na verdade acho que poucas coisas doem mais no coração de uma criança do que isso. Será mesmo necessário mostrar desapontamento se você torce pro São Paulo e seu filho escolhe ser Corintiano?

Abrindo um parênteses para todas as áreas da vida, falando em escolhas…

Baby-Stormtropper-Body

Obviamente precisamos estar atentos aos que os nossos filhos assistem já que hoje em dia 80% da programação televisiva é composta de matéria fecal (vulgo bosta) e o controle deve estar sim na mão dos adultos. Mas nossas crianças precisam aprender a arte da boa escolha. Impor as coisas respondendo aos “porquês” com “porque SIM”, “porque eu mandei” ou “porque quem manda aqui sou eu” (já fiz muito isso e às vezes ainda caio nesse erro) não ensina nada pra eles. Nunca é bom deixar uma criança sem resposta, ainda que a resposta seja “não sei”. É melhor deixar que eles façam algumas escolhas (pertinentes à sua idade, é claro) ainda que erradas durante a infância pra que quando cheguem na adolescência e na vida adulta saibam fazer as escolhas certas.

Ler mais sobre: Experiências
Por Joana
joana scheer comente
Comente