As 20 piores coisas a se dizer para uma mãe!

joana scheer Em June 5th, 2017

Na hora de soltar o verbo e dizer baboseiras e absurdos para os outros, tem gente que merece Oscar! Qualquer absurdo que possa se passar na sua cabeça, acredite, a gente já ouviu! Mas algumas coisas que nos falam passam TANTO dos limites que eu me senti na obrigação de preparar um vídeo pra vocês com as 20 piores! Leia: O que não FAZER a uma mãe! Veja, e compartilhe com quem precisa ouvir 😉

Leia mais)

Preconceito com crianças!

joana scheer Em May 15th, 2017

Crianças não são bem vindas, isso é um fato! O preconceito contra eles é muito real e totalmente aceitável e “normal” hoje em dia. Quantas vezes eu já ouvi em rodinhas de conversa: “ah, não gosto de criança”… como se fossem bicho (nada contra os bichos, amo todos). Mas é cada absurdo que a gente é obrigado a escutar que Jesus amado! Neste vídeo eu reuni alguns dos absurdos que eu já ouvi de pessoas “que não gostam de crianças” disseram, como se fossem coisas totalmente normais e aceitáveis. Leia também: Fraldário acessível a todos em São Paulo E os estabelecimentos, no geral super mal preparados para receber nossos pequenos? “Nóis” tá falando disso também! Se eu esqueci alguma coisa deixe aqui nos comentários! Vamos continuar lutando pra fazer desta uma sociedade inclusiva e acolhedora para nossos pequerruxos que são sim o futuro dessa nação!

Leia mais)

Pai viraliza desabafo após birra de filha em restaurante

joana scheer Em March 11th, 2017

Quem é pai ou mãe sabe que não é nada fácil criar os filhos, e que não tem jeito. Ataques de raiva virão, birra eventualmente acontecerá e o que podemos fazer é ter muita paciência e fazer nosso melhor. Constantemente somos alvo de críticas e olhares fulminantes de pessoas que por algum motivo acham que sabem fazer melhor nosso trabalho. Recentemente um pai passou por isso em um restaurante e decidiu escrever um texto desabafando em sua página do Facebook. Abaixo, traduzi o texto pra vocês porque me identifiquei demais, e imagino que vocês também vão se identificar. * “Estou preso no carro com minha filhinha. Nós saímos pra jantar em família, e ela teve um xilique porque a mãe não a deixou jogar comida. Então ela gritou, e gritou, e chutou, e chutou, e como eu era o único que já tinha terminado de comer, levei minha filha pro carro. Eu a carreguei pelo restaurante e todos me encararam, a maioria deles sem crianças, eu presumo. Ninguém que tenha filhos me olharia daquele jeito, entortando os lábios, como se quisessem dizer, “se você não pode controlar seu filho, então nem saia de casa.” Bom… não. Eu não posso controlá-la. […]

Leia mais)

Aproveite de pertinho enquanto eles cabem no colo

joana scheer Em March 7th, 2017

Aproveite o amor de pertinho… Um dia, assim, do nada, ele vai parar de chamar pra dar o beijo e fechar a janela antes de dormir. Um dia assim… Do nada. Muitas vezes eu reclamo que não tenho tempo pra mim, que tem muito barulho em casa, que não posso isso, não dá pra fazer aquilo, e depois me culpo por não olhar as bênçãos que eu tenho a minha volta. Este lindo texto me ajuda a lembrar, e espero que ajude a você também. “Aproveite o amor de pertinho… Um dia, assim, do nada, ele vai parar de chamar pra dar o beijo e fechar a janela antes de dormir. Um dia assim… Do nada. Ele vai trancar a porta do banheiro pra tomar banho, vai estudar sozinho pra prova, vai receber a ligação de um amigo. Vai ligar o microondas e esquentar o próprio leite de manhã. Um dia, ele vai fazer um bolo pra você e a própria panqueca. E vai compreender, sem chorar ou reclamar, que não precisa de outra mochila pra começar o ano escolar. Ele vai parar de deixar todos os brinquedos espalhados pela casa… Porque não vai mais brincar tanto. Um dia, sem […]

Leia mais)

Criação com apego – minha experiência (ou falta dela)

joana scheer Em October 19th, 2016

Recentemente vi um texto fabuloso do Marcos Mion falando sobre criação com apego. Achei lindo, maravilhoso mesmo. Hoje em dia crio meus meninos assim mas nem sempre foi assim. O Mikael foi meu primeiro filho, e foi cobaia mesmo porque eu nunca tinha nem trocado uma fralda. Não me dava bem com crianças e elas não gostavam de mim. Sempre tive muito prazer em cuidar dele e queria fazer tudo certo pra que ele fosse feliz, seguro e incrível. Mika nasceu, e eu corri pra livros, fóruns, conselhos de pediatras e tudo mais. Fiz tudo o que me diziam pra fazer. Mika dormiu sozinho a noite toda quando tinha 3 meses, sempre teve saúde, teve refluxo (o que me dava nos nervos) e na hora de dormir eu dava boa noite carinhosamente dizendo que era hora de dormir. Eu o colocava no berço e saía. Ele chorava. Eu não atendia. Ia fazer outras coisas enquanto meu nenê chorava me chamando. Eu não sentia remorso ou culpa porque afinal de contas, é normal, mas ele acostuma logo. E assim foi. Em poucos dias ele dormia sozinho. Conforme o tempo foi passando, eu fui evoluindo como mãe, como ser humano, e aprendi […]

Leia mais)

O pior puerpério da minha vida

joana scheer Em October 13th, 2016

Já falei aqui sobre o puerpério, esse sentimento terrível e angustiante pelo qual quase todas as mamães passamos quando o nenê vem ao mundo. Tive o Mikael e voltei pra casa morrendo de medo de não dar conta de manter viva uma criatura tão frágil (link). Até aí, normal, quem não teria esse medo? Minha mãe ficou em casa comigo durante uma semana me ajudando e durante esse período eu tive alguns xiliques e micro (nem tão micro assim) ataques de pânico de vez em quando, e ela me tranquilizava. Mas eu morava em Santa Catarina e ela em São Paulo na época e ela teve que voltar. De repente, me vi sozinha. Meu marido estava lá, mas era tão inexperiente quanto eu e não tinha a mínima paciência (que graças a Deus hoje esbanja). Foi um pesadelo! Mika acordava de madrugada como todo (ou quase todo) bebê pra mamar e eu com os seios ainda sangrando chorava enquanto amamentava. Chorava de cansaço, de dor, de sono, de solidão porque queria meus amigos ali naquele momento e não tinha ninguém perto. Quando o dia raiava, um calor de rachar coco e minha sogra me mandando colocar blusa no bebê. Ele […]

Leia mais)

Estamos exigindo demais, crianças precisam brincar!

joana scheer Em July 7th, 2016

Recentemente fui à reunião final do semestre na escola do meu filho e é absurda a insistência dos pais para que as crianças saiam de lá alfabetizadas, tenham lição de casa, etc. Meus filhos estudavam em escola particular e quando o bolso apertou tive que abrir mão disso, e tive medo. Lá eles tinham aulas de inglês, música, educação física, artes e levavam lição de casa. Na escola pública vi algo totalmente diferente, que na verdade me encantou. O brincar! Leia aqui a saga da mudança da escola particular para a púbica Quero deixar claro aqui que estou falando da educação infantil, não de ensino fundamental ou médio. Lá as crianças têm duas refeições em meio período (boas refeições), aprendem a cozinhar e trazem a receita pra casa, brincam no parque, correm, cavam na areia, vão ao banheiro sozinhas, se servem sozinhas num buffet, como em restaurantes self-service sabe? Só que em escala “mini”, rs, e escovam seus próprios dentes. Recortam, colam, ouvem histórias, desenham, pintam, reciclam fazendo brinquedos, mexem no computador uma vez por semana, etc, etc. Brincam, muito. Pega-pega, esconde-esconde, fazem montagem com blocos. Não tem pontilhado, não tem apostila, não tem lista de material. Isso assustou boa […]

Leia mais)

Festa na escola do Gabriel e a mamãe só pra ele

joana scheer Em June 30th, 2016

Como é difícil ter um tempo só pra ele, e como isso me dói. Ele é tão seguro, tão independente, mas ao mesmo tempo tão pequeno, tão frágil. Meu passarinho Gabriel. Hoje foi um dia especial na escolinha do Gab, e eu fui. Ia levar toda a tropa mas não. Decidi me esforçar pra ter um tempo de mamãe e Gabriel, só nós dois. Pedi pra estender o tempo do Daniel na escolinha dele hoje e pedi à minha mãe que ficasse um pouco com o Mikael para que eu pudesse ter esse tempo. Não costumo fazer isso com frequência mas eu precisava, ele precisava. Como foi gostoso! Tão gostoso que esqueci de colocar o celular pra carregar e nem levei. Deixei de tirar fotos, de “snapchatear” mas os sentimentos nunca vão sair do meu coração e as imagens nunca deixarão a minha memória. Cheguei na escolinha e fiquei aguardando as apresentações de dança com os outros pais. Eles desceram as escadas, as crianças foram correndo pros seus pais e ele esticando o pescocinho procurando a mamãe que tinha prometido estar ali. Procurava, procurava e nada. De longe eu fui vendo aqueles olhinhos azuis se encherem de lágrimas. Então ele […]

Leia mais)

Mordida na escola e a relação com a ausência do pai

joana scheer Em April 11th, 2016

É difícil pra mim às vezes escrever no blog porque na maioria das vezes nossos desafios no núcleo familiar envolvem um assunto em particular que eu –ainda- não vou expor aqui. Mas enfim… fomos novamente chamados à escola pra conversar com a família de um menino em particular que o Mikael resolveu morder. Sabe aquela fase da criança em que ela se expressa e se defende mordendo? Pois bem, o Mikael nunca fez isso. Ele nunca foi uma criança que morde, ao contrário do Gabriel que mordeu bastante e que está naturalmente deixando essa fase para trás. Na idade dele (4 anos) a mordida é a mais alta patente de agressão. É o mais do mais, a maior agressão que uma criança pode exercer sobre outra. Mas, por que? É sempre o mesmo menino… sempre por um motivo “bobinho” como correr na frente, jogar a tampa da garrafinha longe. E é um menino que o Mikael gosta. É amiguinho mesmo dele. Em alguns episódios anteriores, antes de eu expor a situação para a Luciana, a professora dele me dizia sempre que o pai desse menino que sempre o leva e o busca brigava e queria até armar barraco com a […]

Leia mais)

Saudades do filho do meio

joana scheer Em March 25th, 2016

Quando soube da gravidez do Daniel prometi a mim mesma que não permitiria que o Gabriel desenvolvesse a tal “síndrome do filho do meio”. Tenho muitos amigos e conhecidos que são filhos do meio e todos eles têm seus traumas, que na maioria das vezes não atrapalharam no seu desenvolvimento mas geraram sim uma dorzinha no peito que eu não quero que o Gab sinta. Mas, tem sido difícil. Ele ainda é um bebê, e muitas vezes preciso olhar aqueles olhos grandes me pedindo colo e dizer “agora não posso Gab”, ou “vou fazer o bebê dormir e já te pego tá?”, como é duro! Nunca cheguei a conversar com os pais desses amigos e me alivia ver que a maioria é bem sucedida hoje e faz piada desses pequenos traumas como aniversário junto, apanhar e ainda levar culpa, herdar a roupa do mais velho (que ganha as roupas novinhas que vão automaticamente pro irmão do meio depois, e estão surradas demais pra ir pro mais novo, que também acaba ganhando roupas novas), etc.. e nunca tinha pensado nisso, do porquê dessa “síndrome” existir. Só vivendo pra entender como é difícil. O mais velho entende um pouco mais, requisita um […]

Leia mais)

O que estamos fazendo com as nossas crianças?

joana scheer Em March 2nd, 2016

Somos parcialmente responsáveis pela formação de caráter de um ser humano, isso é muito sério! Quando nasce um filho precisamos abdicar de muitos dos nossos planos e desejos daquele momento, deixar de sair, deixar de dormir uma noite completa (o que em mim pelo menos tem efeitos desastrosos), comer comida gelada, tomar banho quando dá e às vezes ir dormir sem banho mesmo, entre muitas outras coisas. Algumas mães ou pais ainda precisam trabalhar fora e não conseguem dispensar a atenção que gostariam a seus filhos. Abdicar de tudo assim é muito difícil, e existem de fato pessoas que não conseguem. Deixam os filhos sempre com os avós pra sair pra balada, curtir a noitada. Outro pais preferem deixar seus filhos passarem seus dias com o Doki ou a Peppa na TV porque, afinal de contas, tem muita coisa pra fazer e não tem como deixar de fazer tudo pra brincar com os filhos. Pais que, pra tentar suprir essa falta –e pra aliviar o sentimento de culpa- enchem os filhos de coisas, presentes, roupas e brinquedos. Come um no sofá outro na mesa, um vendo TV e outro mexendo no celular, mas nunca conversando. Somos parcialmente responsáveis pela formação […]

Leia mais)

Mamães, vamos desabafar e nos ajudar mais?

joana scheer Em February 17th, 2016

“ah, a gente devia fazer um grupo de mães pra conversar, desabafar. Sempre que eu converso com outras mães me sinto melhor”… e não é que é assim mesmo? Eu sei eu sei, estou ausente… muita coisa rolando e muita novidade chegando 🙂 Bom, Mikael mudou de escola por conta da idade e por ser pertinho de casa vamos andando todos os dias. Umas três vezes encontramos com outras mães que moram no mesmo condomínio que a gente e fomos conversando durante todo o percurso. Hoje ao levar o Gabriel na escola também bati um papo com a diretora –que também é mãe- e ela soltou “ah, a gente devia fazer um grupo de mães pra conversar, desabafar. Sempre que eu converso com outras mães me sinto melhor”… e não é que é assim mesmo? Eu vivo choramingando pra meus amigos mais íntimos como me sinto pequena e insegura como mãe. Como parece que eu faço tudo errado quando eles dão xilique. Me questiono dia e noite e por muitas vezes termino o dia frustrada e me sentindo culpada por não ter sido perfeita boa o suficiente. Não existe essa de perfeição, blá blá blá, mas não adianta, esse é […]

Leia mais)

Desabafo – Como é ser mãe

joana scheer Em December 26th, 2015

A gente ama os filhos mas tem dias em que estamos mais apaixonadas do que o normal. Hoje é um dia desses pra mim e eu não poderia deixar de registrá-lo com um desabafo. Uma vez ouvi a expressão: “as mães são a expressão do amor de Deus na terra”. Acho que nunca ouvi nada que definisse melhor o que eu sinto pelos meus filhos. Uma profunda decepção quando se comportam mal, mas o amor permanece. Um riso e sentimento de orgulho com as mais simples conquistas como uma nova música aprendida, quando aprendem a bater palminhas ou quando nasce um dente novo. Os primeiros passos, o primeiro pulinho, a primeira palavra, o primeiro cocô na privada, a primeira papinha. É um amor que transborda, que transcende tudo o que existe em matéria de sentimento. A motivação pra ser alguém melhor a cada dia ou pelo menos buscar por isso. Se você não liga pra sua saúde, vai começar a ligar e instintivamente se cuidar melhor pra que esteja lá quando seus pequenos precisarem. Se não tem medo de morrer vai começar a ter. Se não é apegado a ninguém, agora vai ser. Se não acredita em Deus vai ser […]

Leia mais)

#meuamigosecreto e o meu papel na vida dele

joana scheer Em November 28th, 2015

#meuamigosecreto é puro, doce, carinhoso. Pede licença, diz obrigado e pede desculpas quando erra. Não é orgulhoso, é generoso e humilde. Quando vê uma flor na rua colhe e me dá, dizendo que me ama e que sou uma princesa. Ele não é grosseiro comigo, mesmo quando eu, em meio à exaustão sou grosseira com ele. Ele quer estar perto de mim sempre, e me respeita. Meu amigo secreto me ajuda com as tarefas de casa, tem prazer em me ajudar a cuidar do bebê e a cozinhar. Quando me vê chorar pergunta o que estou sentindo e tenta de todas as maneiras me ajudar e me fazer sorrir. Meu amigo secreto canta pra mim e me conta cada detalhe do seu dia. Diz milhares de vezes ao dia o quanto me ama e que não quer me perder nunca. #meuamigosecreto é meu filho de 3 anos. Que essa pureza se conserve. Esse é meu maior desejo ♡   Sei que parte disso (grande parte) depende de mim, e como é difícil. Ser exemplo é difícil. Se alguém me perguntar se eu penso em mim como um bom exemplo pros meus filhos hoje, eu diria que não porque o meu […]

Leia mais)

Eu não nasci pra mim

joana scheer Em November 18th, 2015

Quando eu era mais nova pulava muro, subia em árvore, não tinha medo de altura. Eu sou mais uma “tentante”. Nunca fui super mega máxi hiper boa em alguma coisa, mas tentava um pouco de tudo. Depois que tive o primeiro filho não consegui mais me jogar de cabeça (literalmente ou não). Amarelei. Tenho medo de altura, não desço ladeiras íngremes de skate (sim, tenho quase, QUASE trinta anos mas tenho um longboard e gosto de brincar com ele) e perdi a vontade de pular de paraquedas. Não consigo ficar um dia sequer sem pensar que preciso ficar bem. Se eu quebrar uma perna quem é que vai ficar com eles? E se algo acontecer comigo? Não permito que esses pensamentos me dominem por completo mas confesso que hoje cuido melhor de mim, por eles. Procuro me alimentar melhor pra que eu produza mais leite pro Daniel e tenha força pra cuidar bem deles. Quero (ainda não consegui) guardar mensalmente uma graninha, pra eles. Levanto nos dias difíceis que têm sido muitos porque preciso cuidar deles. Eles são motivações pra mim, e eu digo tudo isso não em um tom de pesar mas num tom de prazer e satisfação. Sou feliz assim, servindo […]

Leia mais)