Pai viraliza desabafo após birra de filha em restaurante

joana scheer Em March 11th, 2017

Quem é pai ou mãe sabe que não é nada fácil criar os filhos, e que não tem jeito. Ataques de raiva virão, birra eventualmente acontecerá e o que podemos fazer é ter muita paciência e fazer nosso melhor. Constantemente somos alvo de críticas e olhares fulminantes de pessoas que por algum motivo acham que sabem fazer melhor nosso trabalho. Recentemente um pai passou por isso em um restaurante e decidiu escrever um texto desabafando em sua página do Facebook. Abaixo, traduzi o texto pra vocês porque me identifiquei demais, e imagino que vocês também vão se identificar. * “Estou preso no carro com minha filhinha. Nós saímos pra jantar em família, e ela teve um xilique porque a mãe não a deixou jogar comida. Então ela gritou, e gritou, e chutou, e chutou, e como eu era o único que já tinha terminado de comer, levei minha filha pro carro. Eu a carreguei pelo restaurante e todos me encararam, a maioria deles sem crianças, eu presumo. Ninguém que tenha filhos me olharia daquele jeito, entortando os lábios, como se quisessem dizer, “se você não pode controlar seu filho, então nem saia de casa.” Bom… não. Eu não posso controlá-la. […]

Leia mais)

O pior puerpério da minha vida

joana scheer Em October 13th, 2016

Já falei aqui sobre o puerpério, esse sentimento terrível e angustiante pelo qual quase todas as mamães passamos quando o nenê vem ao mundo. Tive o Mikael e voltei pra casa morrendo de medo de não dar conta de manter viva uma criatura tão frágil (link). Até aí, normal, quem não teria esse medo? Minha mãe ficou em casa comigo durante uma semana me ajudando e durante esse período eu tive alguns xiliques e micro (nem tão micro assim) ataques de pânico de vez em quando, e ela me tranquilizava. Mas eu morava em Santa Catarina e ela em São Paulo na época e ela teve que voltar. De repente, me vi sozinha. Meu marido estava lá, mas era tão inexperiente quanto eu e não tinha a mínima paciência (que graças a Deus hoje esbanja). Foi um pesadelo! Mika acordava de madrugada como todo (ou quase todo) bebê pra mamar e eu com os seios ainda sangrando chorava enquanto amamentava. Chorava de cansaço, de dor, de sono, de solidão porque queria meus amigos ali naquele momento e não tinha ninguém perto. Quando o dia raiava, um calor de rachar coco e minha sogra me mandando colocar blusa no bebê. Ele […]

Leia mais)

Daniel internado com pneumonia e a reflexão que isso me trouxe

joana scheer Em July 25th, 2016

Todos os meus meninos já estiveram gripados diversas vezes, umas gripes mais leves, outras mais graves. Já tive que levar no pronto socorro e era sempre a mesma coisa. Inalações, raio x e voltávamos pra casa. Algumas vezes eu ia “à toa” e os médicos sempre me diziam a mesma coisa… Só venha ao pronto socorro se a febre durar mais de dois dias ou se ele estiver cansado (“puxando costela” pra respirar). Pois bem, eu segui assim até desta última vez com o Daniel. Uma gripe comum que foi se agravando e se transformou numa broncopneumonia. Levei ao pronto socorro e com uma saturação de 94 voltamos pra casa e fizemos aqui o tratamento. Depois de 10 dias ele estava ótimo, mas logo a febre e o cansaço acompanhado da tosse voltaram. Levei novamente e constatamos que mesmo após todo o tratamento a pneumonia ainda estava lá. Com uma saturação de 88 Daniel foi internado. Pra mim aquilo foi um choque! Primeiro porque pela primeira vez estávamos à mercê da saúde pública já que perdemos o convênio médico com toda essa crise. Depois porque fomos de uma UPA a um hospital de ambulância. Parecia tudo tão grave… mas ele […]

Leia mais)

Festa na escola do Gabriel e a mamãe só pra ele

joana scheer Em June 30th, 2016

Como é difícil ter um tempo só pra ele, e como isso me dói. Ele é tão seguro, tão independente, mas ao mesmo tempo tão pequeno, tão frágil. Meu passarinho Gabriel. Hoje foi um dia especial na escolinha do Gab, e eu fui. Ia levar toda a tropa mas não. Decidi me esforçar pra ter um tempo de mamãe e Gabriel, só nós dois. Pedi pra estender o tempo do Daniel na escolinha dele hoje e pedi à minha mãe que ficasse um pouco com o Mikael para que eu pudesse ter esse tempo. Não costumo fazer isso com frequência mas eu precisava, ele precisava. Como foi gostoso! Tão gostoso que esqueci de colocar o celular pra carregar e nem levei. Deixei de tirar fotos, de “snapchatear” mas os sentimentos nunca vão sair do meu coração e as imagens nunca deixarão a minha memória. Cheguei na escolinha e fiquei aguardando as apresentações de dança com os outros pais. Eles desceram as escadas, as crianças foram correndo pros seus pais e ele esticando o pescocinho procurando a mamãe que tinha prometido estar ali. Procurava, procurava e nada. De longe eu fui vendo aqueles olhinhos azuis se encherem de lágrimas. Então ele […]

Leia mais)

Mordida na escola e a relação com a ausência do pai

joana scheer Em April 11th, 2016

É difícil pra mim às vezes escrever no blog porque na maioria das vezes nossos desafios no núcleo familiar envolvem um assunto em particular que eu –ainda- não vou expor aqui. Mas enfim… fomos novamente chamados à escola pra conversar com a família de um menino em particular que o Mikael resolveu morder. Sabe aquela fase da criança em que ela se expressa e se defende mordendo? Pois bem, o Mikael nunca fez isso. Ele nunca foi uma criança que morde, ao contrário do Gabriel que mordeu bastante e que está naturalmente deixando essa fase para trás. Na idade dele (4 anos) a mordida é a mais alta patente de agressão. É o mais do mais, a maior agressão que uma criança pode exercer sobre outra. Mas, por que? É sempre o mesmo menino… sempre por um motivo “bobinho” como correr na frente, jogar a tampa da garrafinha longe. E é um menino que o Mikael gosta. É amiguinho mesmo dele. Em alguns episódios anteriores, antes de eu expor a situação para a Luciana, a professora dele me dizia sempre que o pai desse menino que sempre o leva e o busca brigava e queria até armar barraco com a […]

Leia mais)

O que estamos fazendo com as nossas crianças?

joana scheer Em March 2nd, 2016

Somos parcialmente responsáveis pela formação de caráter de um ser humano, isso é muito sério! Quando nasce um filho precisamos abdicar de muitos dos nossos planos e desejos daquele momento, deixar de sair, deixar de dormir uma noite completa (o que em mim pelo menos tem efeitos desastrosos), comer comida gelada, tomar banho quando dá e às vezes ir dormir sem banho mesmo, entre muitas outras coisas. Algumas mães ou pais ainda precisam trabalhar fora e não conseguem dispensar a atenção que gostariam a seus filhos. Abdicar de tudo assim é muito difícil, e existem de fato pessoas que não conseguem. Deixam os filhos sempre com os avós pra sair pra balada, curtir a noitada. Outro pais preferem deixar seus filhos passarem seus dias com o Doki ou a Peppa na TV porque, afinal de contas, tem muita coisa pra fazer e não tem como deixar de fazer tudo pra brincar com os filhos. Pais que, pra tentar suprir essa falta –e pra aliviar o sentimento de culpa- enchem os filhos de coisas, presentes, roupas e brinquedos. Come um no sofá outro na mesa, um vendo TV e outro mexendo no celular, mas nunca conversando. Somos parcialmente responsáveis pela formação […]

Leia mais)

“A mamãe só está cansada” – por Aurea Gil

joana scheer Em February 22nd, 2016

Numa dessas, a mãe acordou. Deu um tapa na cabeça dela, falou num grito: “Fica quieta aí e senta!”. Ela chorou um pouquinho, lágrimas escorreram. Meu coração apertou. Tive vontade de fazer algo, mas achei que era muita invasão da vida alheia e fiquei quieta.   Na maternidade diversas vezes encontramos textos lindos que geram em nós ânimo pra mudar o que está ruim, alegria, emoção. Mas hoje eu li um que extravasou tudo o que eu já senti em textos assim. Um exemplo de como agir, uma prova de que o amor brota, multiplica e muda vidas gerando mais e mais amor. Me identifiquei sim com a mãe e me emocionei. Me emocionei porque num mundo onde apontar o dedo (como aqui por exemplo) ver uma atitude de amor assim emociona. A ala dos descontentes e das mães perfeitinhas sempre existiu e sempre vai existir, mas vou exercer meu direito de ignorá-la e deixar aqui pra vocês esse lindo texto de AUREA GIL.   “Finzinho da tarde, no ônibus, dois bancos à frente, uma menininha de cabelos cacheados sorri pra mim, muito meiga. Devia ter uns três anos de idade. Ao lado dela, sua mãe cochilava. Quando ela percebia que […]

Leia mais)

Mamães, vamos desabafar e nos ajudar mais?

joana scheer Em February 17th, 2016

“ah, a gente devia fazer um grupo de mães pra conversar, desabafar. Sempre que eu converso com outras mães me sinto melhor”… e não é que é assim mesmo? Eu sei eu sei, estou ausente… muita coisa rolando e muita novidade chegando 🙂 Bom, Mikael mudou de escola por conta da idade e por ser pertinho de casa vamos andando todos os dias. Umas três vezes encontramos com outras mães que moram no mesmo condomínio que a gente e fomos conversando durante todo o percurso. Hoje ao levar o Gabriel na escola também bati um papo com a diretora –que também é mãe- e ela soltou “ah, a gente devia fazer um grupo de mães pra conversar, desabafar. Sempre que eu converso com outras mães me sinto melhor”… e não é que é assim mesmo? Eu vivo choramingando pra meus amigos mais íntimos como me sinto pequena e insegura como mãe. Como parece que eu faço tudo errado quando eles dão xilique. Me questiono dia e noite e por muitas vezes termino o dia frustrada e me sentindo culpada por não ter sido perfeita boa o suficiente. Não existe essa de perfeição, blá blá blá, mas não adianta, esse é […]

Leia mais)

Um tempo só meu

joana scheer Em January 30th, 2016

[…]Pra um ser humano que nasce egocêntrico abrir mão da individualidade não é fácil[…]   Depois de quase 4 anos tive um tempo pra mim, só pra mim. Deixei o Daniel com uma amiga, Mika e Gab ficaram dormindo em casa com a vovó e eu fui ao cinema. Assisti o novo filme da saga Star Wars. O filme me surpreendeu e me prendeu do início ao fim, mas e o tempo sozinha, como foi?   Na verdade foi uma mistura de sentimentos. Fiquei fora durante umas 4 horas. Foi maravilhoso não me preocupar com um bebê chorando no banco de trás do carro sempre que eu precisava esperar o farol abrir, poder estacionar o carro, descer dele e trancá-lo levando apenas alguns segundos e sem ter que mexer no porta malas pra tirar malas e carrinho. Pegar a escada rolante do shopping e não ficar me preocupando em procurar elevador pra subir com o trambolho carrinho de bebê. Poder ir ao banheiro depois do filme e fazer um longo xixi sem precisar me equilibrar com um bebê no colo. E assistir um ótimo filme do início ao fim, quase sem piscar, sem interrupções… simplesmente indescritível. Por outro lado eu […]

Leia mais)

10 dicas para lidar com crianças difíceis

joana scheer Em January 8th, 2016

Sabe aquela criança linda que você olha e logo pensa. “Nossa, que criança linda, como desliga?”. São os meus. Meus filhos são muito bonzinhos, mas quando preciso sair é uma luta épica encontrar alguém que fique com eles pra mim, ninguém encara. Não porque eles sejam malvados ou pestinhas, mas eles são sim difíceis de lidar. Sabe aquela criança linda que você olha e logo pensa. “Nossa, que criança linda, como desliga?”. São os meus. Elétricos, não param um minuto sequer. E se não sentem firmeza desde o início fazem você de gato e sapato. Quando estão comigo não tem birra em shopping/mercado, eles não saem correndo pro meio da rua (embora eu procure não arriscar) dificilmente agridem amiguinhos ou um ao outro e se comportam bem, mas basta outra pessoa “ficar à frente” e pronto, é teste atrás de teste até a pessoa “provar o seu valor” hahaha. Sei que os meus não são os únicos e hoje reuni aqui algumas dicas de como lidar com crianças difíceis. Firmeza. Ser firme não é ser grosseiro, mas o tom de voz é fundamental. Um tom alto (não gritando, óbvio) e seguro basta. Tente e verá. Postura Parece brincadeira mas não […]

Leia mais)

Ameaças vazias e seus efeitos nas crianças

joana scheer Em January 2nd, 2016

O que fazer com as ameaças vazias? Primeiramente quero dizer que não sou pediatra, médica, super nanny ou especialista. Sou mãe e esse texto é baseado no que eu vivo, no que eu faço e no que eu penso sobre a maternidade. Aqui não tem receita infalível. Eu não tenho problemas em sair com os três pra ir ao shopping ou ao mercado, mas basta mais uma pessoa pra que tudo mude e se transforme em um caos. No intuito de chamar a atenção dessa terceira pessoa eles se agitam, brigam, correm quando eu peço pra ficar perto  e eu preciso em um ato de desespero recorrer à ameaças, o que eu detesto fazer. “Se você não obedecer precisaremos ir embora.” “Se brigarem de novo eu vou guardar o brinquedo.” “se bater mais uma vez no irmão vai pro castigo”, e por aí vai. Algumas vezes eu fiquei TÃO fora de mim, com raiva, vergonha, tristeza, decepção, tudo junto num bolo de negatividade dentro de mim que fiz as famosas “ameaças vazias” que sempre colocam tudo a perder. Por que? Bom, se você fala algo pra uma criança e não faz, aos poucos ela vai perdendo a confiança no que […]

Leia mais)

Escolhas. Eu gosto, ele não

joana scheer Em December 15th, 2015

Será mesmo necessário mostrar desapontamento se você torce pro São Paulo e seu filho escolhe ser Corintiano? Escolhas diferentes são mesmo tão importantes? Eu me amarro em “sagas nerd” como Star Wars por exemplo. Ainda estou na sofrência porque não vou poder ver o filme na pré estréia por causa do horário. Pensei até em me vestir de Stormtrooper e levar o Dani com orelhas de Yoda… mas tudo bem, fica pra próxima. Enfim… quando gostamos de alguma coisa automaticamente já imaginamos nossos filhos curtindo a mesma coisa, fazendo parte daquilo contigo. No dia das crianças mesmo eu confesso que tentei convencer o Mikael de comprar um dinossauro de brinquedo porque EU sou fã de Jurassic Park e enlouqueci com o novo filme. Mas ainda assim ele preferiu os robôs de sempre (que eu também gosto por sinal, hehe). O ponto é que muitas vezes os pais expressam uma insatisfação enorme quando os filhos não compartilham dos seus gostos. Eu mesma já tentei fazê-lo desgostar do homem aranha porque EU não gosto. Até que ponto isso é saudável? Eu sou diferente dos meus pais, tenho meus próprios gostos, vontades e fiz minhas próprias escolhas. Acho importante que as crianças se sintam […]

Leia mais)

Escolinha ou não, eis a questão!

joana scheer Em December 2nd, 2015

Eu não queria colocar meus filhos na escolinha até eles completarem 3 anos. Eu não queria terceirizar a educação deles, afinal EU sou a mãe e a obrigação é toda minha. Ajuda? Não posso pedir ajuda, eles são MINHA responsabilidade. E aí, a realidade bateu à minha porta. Nasceu o Mikael. Não foi fácil, fiquei cheia de medo porque nunca tinha sequer trocado uma fralda (leia sobre isso aqui) mas fui dando conta, Confesso que sempre que podia deixava-o no colo de amigos pra que eu tivesse ali alguns minutos de “eu comigo mesma”, nem que fosse pra ir ao banheiro ou tomar um copo de água. Nasceu o Gabriel, e na época o Mika tinha acabado de completar um ano. Agora eram dois, ficou muito mais difícil mas eu dava conta. Já me estressava bastante ao final do dia, com dois bebês 100% dependentes e um deles correndo por tudo (Mika andou com 9 meses) mas sem noção nenhuma de perigo. Era um olho no peixe, outro no gato, outro nos afazeres domésticos e teoricamente outro em mim mesma. Me mudei pra São Paulo e aqui nasceu Daniel. Agora temos aqui 1 bebê 100% dependende, e outros dois já […]

Leia mais)

Eu não nasci pra mim

joana scheer Em November 18th, 2015

Quando eu era mais nova pulava muro, subia em árvore, não tinha medo de altura. Eu sou mais uma “tentante”. Nunca fui super mega máxi hiper boa em alguma coisa, mas tentava um pouco de tudo. Depois que tive o primeiro filho não consegui mais me jogar de cabeça (literalmente ou não). Amarelei. Tenho medo de altura, não desço ladeiras íngremes de skate (sim, tenho quase, QUASE trinta anos mas tenho um longboard e gosto de brincar com ele) e perdi a vontade de pular de paraquedas. Não consigo ficar um dia sequer sem pensar que preciso ficar bem. Se eu quebrar uma perna quem é que vai ficar com eles? E se algo acontecer comigo? Não permito que esses pensamentos me dominem por completo mas confesso que hoje cuido melhor de mim, por eles. Procuro me alimentar melhor pra que eu produza mais leite pro Daniel e tenha força pra cuidar bem deles. Quero (ainda não consegui) guardar mensalmente uma graninha, pra eles. Levanto nos dias difíceis que têm sido muitos porque preciso cuidar deles. Eles são motivações pra mim, e eu digo tudo isso não em um tom de pesar mas num tom de prazer e satisfação. Sou feliz assim, servindo […]

Leia mais)

Minhas experiências (boas e ruins) com amamentação

joana scheer Em November 9th, 2015

Eu sempre quis ter filhos mas nunca tinha parado pra pensar sobre amamentação até realmente ter um bebê na barriga que ia precisar mamar. Achava que era algo automático, meio instintivo sabe? Pariu, o leite desce e pronto, simples assim. Ninguém nunca me disse que o leite tanto pode descer meses antes de o bebe nascer quanto até 3 dias depois do nascimento dele, ou nem descer. Ninguém me disse que mesmo que você esteja fazendo tudo certo, amamentar dói pra burro nas primeiras semanas. Nunca tinha ouvido falar de leite empedrado ou mastite. Quando o Mikael nasceu me instruíram a amamenta-lo pontualmente a cada 2 ou 3 horas, nunca mais do que isso nos primeiros meses, e se ele dormisse muito eu teria que acordá-lo, e deixa-lo 20 minutos em cada seio! E eu fiz isso, segui quase todas as recomendações (nunca interrompi o sono do meu filho). Nas primeiras duas semanas meu seio sangrava, e muito… e doía. Cheguei a ligar pro médico e a única recomendação que recebi foi pra continuar, que não tinha problema ele ingerir meu sangue junto. Que romântico, um pequeno vampirinho.  Logo o sangue parou de descer e o seio acostumou. Amamentar não […]

Leia mais)

Sobre o vídeo do menino quebrando tudo na escola

joana scheer Em October 30th, 2015

Vi recentemente um video de um menino de 7 anos quebrando tudo na escola. Enquanto ele jogava papéis, cadeiras e caixas no chão os funcionários filmavam indignados cogitando chamar a policia. O vídeo tem mais de 4 milhoes de visualizações e mais de 100.000 compartilhamentos e apareceu na minha timeline do facebook umas 10 vezes pelo menos em um só dia. E em todos, comentários do tipo “isso é um pequeno marginal”, “meu filho jamais faria isso”, “isso é culpa dos pais que não educam”, todo mundo tinha algo a dizer do menino, ou de seus pais. Os autores do vídeo escreveram uma pergunta… “o que fazer? Indiciar os pais?”. Eu raramente falo algo de peso em redes sociais porque sinceramente tenho preguiça de discutir, mas essa pergunta eu vou ter que responder.

Leia mais)

Capítulo 1 – Da escola particular para a pública.

joana scheer Em October 3rd, 2015

Minha mãe me criou sozinha e precisava trabalhar então desde os meus 19 dias de vida eu fiquei em creches. Nos mudamos pro nordeste e ficamos lá até eu completar 6 anos, e então voltamos pra SP. Nesse meio tempo eu passei por uma creche em Fortaleza que me marcou muito, de uma maneira negativa. Em outro post contarei como foi esta experiência. Antes do meu filho mais novo nascer fui até a creche mais próxima e inscrevi meus dois mais velhos sem a mínima esperança de que iam nos chamar logo porque hoje existem mais de 100.000 crianças na fila. Na época conseguíamos pagar escolas particulares com a ajuda da minha mãe e eu estava esperançosa de que dali pra frente tudo só ia melhorar. Mas a vida é uma caixinha de surpresas e nem tudo acontece como esperamos. O dinheiro apertou e não tínhamos mais condições de mantê-los lá. Eles já estavam inscritos na fila da escola pública mas eu sinceramente não queria precisar coloca-los lá… e o medo? A creche aonde eu ficava não era pública, mas meu pensamento era: “se eu passei o que passei em uma aonde os professores recebiam mais e tinham melhores condições de […]

Leia mais)

Carta de uma mamãe de recém nascido ao seu marido

joana scheer Em September 22nd, 2015

 A gestação traz alegria, muita alegria. Mas com essa alegria vem o medo. Medo de ser uma mãe ruim, medo de desapontar o marido, medo de não corresponder às expectativas (da família, amigos, marido e as dela mesma). Eu sentia tanta coisa, chorava do nada, parecia uma louca mas dificilmente dizia o que sentia pro meu marido. Eu mesma não entendia direito o que eu estava sentindo naquele momento e foi difícil pra mim lidar com tudo, principalmente comigo mesma. Se meu marido tivesse entendido como eu estava me sentindo naquele momento tão delicado provavelmente teria me ajudado mais e teríamos discutido menos. Escrevi uma cartinha com tudo o que eu gostaria de ter dito ao meu marido quando meus filhos nasceram. Acredito que muitas mamães vão se identificar.   Amor… quando eu chegar da maternidade estarei com medo, mesmo que já tenha sido mãe antes. Por favor compreenda e me acalme quando eu pirar. Diga que vai dar tudo certo mesmo que você também esteja com medo. Prometo te fortalecer quando você estiver inseguro mas por favor me ajude agora. Eu vou chorar mesmo que eu esteja feliz. Meus hormônios estão bagunçados dentro de mim e tudo o que você pode fazer neste […]

Leia mais)

Sobre como é ter três bebês pequenos ao mesmo tempo

joana scheer Em September 16th, 2015

  Muita gente me pergunta como eu consigo lidar com três filhos pequenos ao mesmo tempo principalmente quando se trata de um na fase de ansiedade de separação, um “terrible two” e um “threenager” juntos! Vou falar um pouco sobre isso hoje. Não sei o que as pessoas imaginam, mas pela intensidade dos comentários que ouço penso que a maioria imagina uma guerra dentro de casa, o caos instalado. E é mais ou menos isso mesmo, mas é assim na maioria das casas com pelo menos um filho, então a diferença não é muita. Minha casa nunca está arrumada. Tem sempre algum brinquedo em todos os lugares da casa, principalmente atrás e debaixo dos sofás e poltronas. É difícil sair com todos ao mesmo tempo quando meu marido não está. É possível, mas difícil e todo um planejamento é necessário antes de sair, de preferência no dia anterior. O Gabriel que tem 2 anos está na fase de teimosia sem argumentos, então quando dá na telha faz birra e se joga no chão, o que pra mim na verdade não é um grande problema mas com um bebê de 6 meses no colo dificulta um pouco a vida. Com o de […]

Leia mais)

Meu filho precisa de psicólogo, e agora?

joana scheer Em August 31st, 2015

  Meu filho mais velho tem 3 anos e é uma das crianças mais carinhosas que eu já vi. É inteligente, amoroso, doce, puro de coração e bondoso… mas… Desde que coloquei-o na escolinha ele desde o início apresentou comportamento agressivo. Batia nos amigos, mordia e tinha ataques de raiva que eram desencadeados quando qualquer coisa não era como ele queria. Ficava completamente descontrolado e chegou a levantar com os pés uma mesa enorme com computador e aquelas impressoras grandes em cima. Um adulto não conseguia segurá-lo durante os ataques. A diretora da escola na época me aconselhou a passá-lo com uma psicóloga, e meu mundo caiu naquele momento! Meu filho, lindo, doce, carinhoso, amável tinha um pr oblema que eu não podia resolver! Aliás, naquele momento ele ERA um problema, pelo menos na minha mente. Imaginei a vida que ele poderia ter se as coisas continuassem assim como se fosse uma sentença. Imaginei ele sendo a “criança problema” das escolas (aliás, professores… jamais chamem uma criança assim), não querendo estudar, crescendo rebelde, se envolvendo com drogas… me imaginei chorando de madrugada esperando ele voltar.. Acho que dá pra ter uma noção do quão TERRÍVEL foi pra mim!   Como toda mãe faz, eu […]

Leia mais)

Um monstro dentro de mim

joana scheer Em August 17th, 2015

Sempre fui conhecida por todos os que me rodeiam como uma pessoa extremamente calma, ponderada, tranquila, controlada e que transborda paciência. Eu de fato era assim, até meu primeiro filho nascer. Amor nunca faltou, e assim que descobri minha gravidez pulei de alegria. Embora não planejados, todos os meus filhos sempre foram muito desejados, o que pra mim é prioridade. Cheguei em casa da maternidade morrendo de medo , porque até ali eu nunca tinha trocado uma única fralda na vida e nunca fui a “tia” preferida das crianças ao meu redor. Não gostava de pegar bebês no colo e nunca fui de brincar de casinha quando pequena. Sempre preferi escalar, pular muros, me sujar de terra e por aí vai. Tão dependente de mim aquela “coisinha”, tadinho. Ele chorava e nada o acalmava. Uma hora era cólica, outra hora era calor, um arroto preso ou uma fralda suja. Eu sentava e chorava junto. A noite chegava e eu estava exausta, mas era só o começo. Ele acordava de duas em duas horas pra mamar, e outras vezes por causa do refluxo (ooo coisa do capiroto viu) e NÃO, eu não acordava nada feliz e disposta amamentar. Eu amava meu […]

Leia mais)