Daniel internado com pneumonia e a reflexão que isso me trouxe

joana scheer Em July 25th, 2016

Todos os meus meninos já estiveram gripados diversas vezes, umas gripes mais leves, outras mais graves. Já tive que levar no pronto socorro e era sempre a mesma coisa. Inalações, raio x e voltávamos pra casa. Algumas vezes eu ia “à toa” e os médicos sempre me diziam a mesma coisa… Só venha ao pronto socorro se a febre durar mais de dois dias ou se ele estiver cansado (“puxando costela” pra respirar). Pois bem, eu segui assim até desta última vez com o Daniel. Uma gripe comum que foi se agravando e se transformou numa broncopneumonia. Levei ao pronto socorro e com uma saturação de 94 voltamos pra casa e fizemos aqui o tratamento. Depois de 10 dias ele estava ótimo, mas logo a febre e o cansaço acompanhado da tosse voltaram. Levei novamente e constatamos que mesmo após todo o tratamento a pneumonia ainda estava lá. Com uma saturação de 88 Daniel foi internado. Pra mim aquilo foi um choque! Primeiro porque pela primeira vez estávamos à mercê da saúde pública já que perdemos o convênio médico com toda essa crise. Depois porque fomos de uma UPA a um hospital de ambulância. Parecia tudo tão grave… mas ele […]

Leia mais)

Estamos exigindo demais, crianças precisam brincar!

joana scheer Em July 7th, 2016

Recentemente fui à reunião final do semestre na escola do meu filho e é absurda a insistência dos pais para que as crianças saiam de lá alfabetizadas, tenham lição de casa, etc. Meus filhos estudavam em escola particular e quando o bolso apertou tive que abrir mão disso, e tive medo. Lá eles tinham aulas de inglês, música, educação física, artes e levavam lição de casa. Na escola pública vi algo totalmente diferente, que na verdade me encantou. O brincar! Leia aqui a saga da mudança da escola particular para a púbica Quero deixar claro aqui que estou falando da educação infantil, não de ensino fundamental ou médio. Lá as crianças têm duas refeições em meio período (boas refeições), aprendem a cozinhar e trazem a receita pra casa, brincam no parque, correm, cavam na areia, vão ao banheiro sozinhas, se servem sozinhas num buffet, como em restaurantes self-service sabe? Só que em escala “mini”, rs, e escovam seus próprios dentes. Recortam, colam, ouvem histórias, desenham, pintam, reciclam fazendo brinquedos, mexem no computador uma vez por semana, etc, etc. Brincam, muito. Pega-pega, esconde-esconde, fazem montagem com blocos. Não tem pontilhado, não tem apostila, não tem lista de material. Isso assustou boa […]

Leia mais)

10 poderes que desenvolvi depois da maternidade

joana scheer Em May 22nd, 2016

Ser mulher já é bom, ser mãe é super uper duper bom, e vem com brindes adicionais! Depois da maternidade eu posso dizer que desenvolvi super poderes. Aqui listei 10 deles e dei um de brinde -classicão- no final.   Super audição, tão super que escuto o bebê chorar mesmo quando ele não está chorando. (principalmente durante o banho quando os poderes aparentemente triplicam) Super olfato. Um dia desses eu estava trabalhando na sala quando comecei a sentir o cheiro inconfundível de cocô de bebê. Não tinha nenhuma fralda suja por perto, a casa estava limpa e o bebê dormindo no quarto de porta fechada. Eu estava na sala, com a porta do corredor fechada também. Dois minutos depois escuto o bebê chamar e quando chego lá… ele não só tinha feito AQUELE cocô como tinha vazado tudo. O cheiro que eu senti através de duas portas fechadas era real (até demais pra ser verdade). Come quieta power. É claro que com o stress do dia-a-dia muitas vezes eu como um docinho pra acalmar. Geralmente eu faço isso à noite quando eles todos já estão dormindo (nutricionistas piram), mas de vez em quando eu não me aguento e como com […]

Leia mais)

Saudades do filho do meio

joana scheer Em March 25th, 2016

Quando soube da gravidez do Daniel prometi a mim mesma que não permitiria que o Gabriel desenvolvesse a tal “síndrome do filho do meio”. Tenho muitos amigos e conhecidos que são filhos do meio e todos eles têm seus traumas, que na maioria das vezes não atrapalharam no seu desenvolvimento mas geraram sim uma dorzinha no peito que eu não quero que o Gab sinta. Mas, tem sido difícil. Ele ainda é um bebê, e muitas vezes preciso olhar aqueles olhos grandes me pedindo colo e dizer “agora não posso Gab”, ou “vou fazer o bebê dormir e já te pego tá?”, como é duro! Nunca cheguei a conversar com os pais desses amigos e me alivia ver que a maioria é bem sucedida hoje e faz piada desses pequenos traumas como aniversário junto, apanhar e ainda levar culpa, herdar a roupa do mais velho (que ganha as roupas novinhas que vão automaticamente pro irmão do meio depois, e estão surradas demais pra ir pro mais novo, que também acaba ganhando roupas novas), etc.. e nunca tinha pensado nisso, do porquê dessa “síndrome” existir. Só vivendo pra entender como é difícil. O mais velho entende um pouco mais, requisita um […]

Leia mais)

Um tempo só meu

joana scheer Em January 30th, 2016

[…]Pra um ser humano que nasce egocêntrico abrir mão da individualidade não é fácil[…]   Depois de quase 4 anos tive um tempo pra mim, só pra mim. Deixei o Daniel com uma amiga, Mika e Gab ficaram dormindo em casa com a vovó e eu fui ao cinema. Assisti o novo filme da saga Star Wars. O filme me surpreendeu e me prendeu do início ao fim, mas e o tempo sozinha, como foi?   Na verdade foi uma mistura de sentimentos. Fiquei fora durante umas 4 horas. Foi maravilhoso não me preocupar com um bebê chorando no banco de trás do carro sempre que eu precisava esperar o farol abrir, poder estacionar o carro, descer dele e trancá-lo levando apenas alguns segundos e sem ter que mexer no porta malas pra tirar malas e carrinho. Pegar a escada rolante do shopping e não ficar me preocupando em procurar elevador pra subir com o trambolho carrinho de bebê. Poder ir ao banheiro depois do filme e fazer um longo xixi sem precisar me equilibrar com um bebê no colo. E assistir um ótimo filme do início ao fim, quase sem piscar, sem interrupções… simplesmente indescritível. Por outro lado eu […]

Leia mais)

Escolinha ou não, eis a questão!

joana scheer Em December 2nd, 2015

Eu não queria colocar meus filhos na escolinha até eles completarem 3 anos. Eu não queria terceirizar a educação deles, afinal EU sou a mãe e a obrigação é toda minha. Ajuda? Não posso pedir ajuda, eles são MINHA responsabilidade. E aí, a realidade bateu à minha porta. Nasceu o Mikael. Não foi fácil, fiquei cheia de medo porque nunca tinha sequer trocado uma fralda (leia sobre isso aqui) mas fui dando conta, Confesso que sempre que podia deixava-o no colo de amigos pra que eu tivesse ali alguns minutos de “eu comigo mesma”, nem que fosse pra ir ao banheiro ou tomar um copo de água. Nasceu o Gabriel, e na época o Mika tinha acabado de completar um ano. Agora eram dois, ficou muito mais difícil mas eu dava conta. Já me estressava bastante ao final do dia, com dois bebês 100% dependentes e um deles correndo por tudo (Mika andou com 9 meses) mas sem noção nenhuma de perigo. Era um olho no peixe, outro no gato, outro nos afazeres domésticos e teoricamente outro em mim mesma. Me mudei pra São Paulo e aqui nasceu Daniel. Agora temos aqui 1 bebê 100% dependende, e outros dois já […]

Leia mais)

Sobre como é ter três bebês pequenos ao mesmo tempo

joana scheer Em September 16th, 2015

  Muita gente me pergunta como eu consigo lidar com três filhos pequenos ao mesmo tempo principalmente quando se trata de um na fase de ansiedade de separação, um “terrible two” e um “threenager” juntos! Vou falar um pouco sobre isso hoje. Não sei o que as pessoas imaginam, mas pela intensidade dos comentários que ouço penso que a maioria imagina uma guerra dentro de casa, o caos instalado. E é mais ou menos isso mesmo, mas é assim na maioria das casas com pelo menos um filho, então a diferença não é muita. Minha casa nunca está arrumada. Tem sempre algum brinquedo em todos os lugares da casa, principalmente atrás e debaixo dos sofás e poltronas. É difícil sair com todos ao mesmo tempo quando meu marido não está. É possível, mas difícil e todo um planejamento é necessário antes de sair, de preferência no dia anterior. O Gabriel que tem 2 anos está na fase de teimosia sem argumentos, então quando dá na telha faz birra e se joga no chão, o que pra mim na verdade não é um grande problema mas com um bebê de 6 meses no colo dificulta um pouco a vida. Com o de […]

Leia mais)